200 ANOS DA CHEGADA DE SAINT-HILAIRE NO RS – PARTE 2

A entrada, no cenário sul-rio-grandense, do genial naturalista francês Auguste de Saint-Hilaire, com sua argúcia na observação seja de uma planta ou de uma pessoa, praticamente torna desnecessária maior reconstituição do passado. Em seu diário ele vai anotando o presente com o calor de quem vive a História.

O RIO GRANDE DE SAINT-HILAIRE

Já havia três anos que ele percorria as cidades e os sertões do rio São Francisco, das Minas Gerais, da Capitania de São Paulo (inclusive Paraná) e Capitania de Santa Catarina, quando em 1820 chegou à nossa divisa do rio Mampituba. Aqui ele esteve (em duas etapas, intermediadas pelo percurso da Província Cisplatina) durante nove meses (até meados de 1821).

Sofreu muito com nosso clima, ouviu o povo se referir à recente seca (“a mais prolongada de todos os tempos”), ficou ilhado por causa das incríveis enchentes, bateu queixo de frio em Porto Alegre, sofreu calorão em São Borja, viu levado pelos ares o teto sob o qual se hospedava em Restinga Seca quando veio inesperado tufão, pensou que ia morrer e só rezava um salmo da Bíblia quando o veleiro em que viajava foi subitamente envolvido pelos ventos na lagoa dos Patos.

Falou com ricos, pobres, negros, índios, donos de estância, senhores comerciantes e meninos escravos — com todo mundo, enfim. Por tudo isso, sua Viagem ao Rio Grande do Sul se constitui numa insubstituível “reportagem” sobre nossa gente na antevéspera da Independência.

Vamos remanejar trechos esparsos que estão distribuídos aqui e ali (segundo a tradução portuguesa de Leonardo de Azeredo Penha, única até hoje editada), e pretendemos com essa liberdade transmitir simplesmente melhor encadeamento dos assuntos.

saint-hilaire

Eis o Panorama Geral:

Esta Capitania é certamente uma das mais ricas de todo o Brasil e uma das mais bem aquinhoadas pela Natureza” — escreve Saint-Hilaire. — “Os ventos, renovando constantemente o ar, fazem com que certas moléstias, tais como as febres intermitentes, sejam aqui inteiramente desconhecidas. As moléstias mais comuns são as doenças do peito e da garganta e os reumatismos, que provêm das contínuas mudanças de temperatura”.

Situada à beira-mar, possui inúmeros lagos e rios que oferecem fáceis meios de transporte. Entretanto, no tocante à Lagoa dos Patos e seus canais de acesso, é verdadeiramente inconcebível que não tenha o governo, até agora, tomado medida alguma para tornar menos perigosa a navegação, que tanto contribui para a riqueza da Capitania. Há alguns pilotos que se encarregam de conduzir os barcos de Rio Grande a Porto Alegre e vice-versa, mas não são revestidos de nenhum caráter legal, e pode acontecer tomar-se algum inábil”.

O solo produz trigo, centeio, milho e feijão com abundância, e experiências têm provado que todas as árvores, cereais e legumes da Europa aqui produzirão facilmente se forem cultivados”.

Distinguem-se estâncias e chácaras. A estância é uma propriedade onde pode existir alguma cultura, porém ocupa-se principalmente da criação de gado. A chácara tem área bem menor e só se destina à agricultura“.

CTG S.A.Powered by Rock Convert

As pastagens, comportando uma imensidão de gado, não exigem dos estancieiros grandes despesas com escravos, como acontece nas regiões de mineração e de indústria açucareira. Não é raro encontrar estâncias com renda de 10 a 40 mil cruzados. Como quase não há despesas a fazer, tal fortuna tende a aumentar em rápida progressão“.

Nada mais comum aqui que o roubo de animais. É tão banal esse gênero de furto, que chega a ser visto como coisa legítima“.

As rendas da Capitania se compõem dos direitos alfandegários, dos do registro de Santa Vitória passo do rio Pelotas na divisa com os campos de Lajes), do quinto dos couros exportados, dos dízimos, dos pedágios e travessia de rios.”

Há sérios inconvenientes no poder absoluto até agora atribuído aos capitães-generais. Sem nenhum obstáculo podem seguir todas as suas ideias, executar todos os seus planos, por esdrúxulos que sejam, e seus subalternos nunca deixam de se extasiar diante do que eles fazem. Mas, quando um general deixa a Capitania, procuram se vingar do seu despotismo, depreciando todas suas obras. Seu sucessor abandona-as, e começa outras, que por sua vez serão um dia esquecidas“.

“Segundo dados que me foram fornecidos pelo Senhor José Feliciano Fernandes Pinheiro, a Capitania tem 66.665 habitantes, sendo 32.000 brancos, 5.399 homens de cor livres, 20.611 homens de cor escravizados e 8.655 índios. Nas Missões, segundo Fernandes Pinheiro, existem 824 brancos e 6.395 índios; mas, pelo relatório dos administradores daquela província, a população não vai além de 3.000 guaranis-portugueses.”

Os habitantes passam a vida, por assim dizer, a cavalo, e frequentemente locomovem-se a grandes distâncias com rapidez suposta além das possibilidades humanas. A maioria deles é originária de Açores, tal como os da Capitania de Santa Catarina. Todavia, uns e outros pouco se assemelham. Os daqui são corpulentos, os outros são magros e pequenos. Os daqui são corados, têm maior vivacidade de modos, os dali têm tez amarelada. Tais diferenças provêm naturalmente de seus regimes e hábitos. Os daqui vivem continuamente a cavalo, fazendo exercícios e respirando o ar mais puro e sadio da terra; os catarinenses vivem quase sempre da pesca ou do trabalho da terra. Os desta Capitania comem carne, e algumas vezes pão, e os segundos alimentam-se quase somente de peixe e farinha de mandioca“.

Os brasileiros são em geral prestimosos e generosos, mas o hábito de castigar os escravos embota-lhes a sensibilidade. Nesta Capitania acresce uma outra modalidade da dureza de coração. Vivem, por assim dizer, no meio de matadouros; o sangue dos animais corre sem cessar, ao redor deles e desde a infância se acostumam ao espetáculo da morte e dos sofrimentos. Não é pois de estranhar sejam mais insensíveis que o resto dos seus compatriotas. Fala-se aqui da desgraça alheia com o mais inalterável sangue-frio“.

Há muita suscetibilidade no aspecto de defesa do território doméstico. Nas Missões, fui muito mal recebido pelo estancieiro Padre Alexandre porque não cumpri certas formalidades à chegada. Quase sempre eu andava à frente meu criado Matias para pedir pousada, mas também entre Cachoeira e Rio Pardo me apresentei sozinho e meu hospedeiro censurou-me acremente por eu ter, à chegada, atravessado a cerca que separava o campo e o pátio. ‘Nem um homem mal-educado procederia assim — disse-me —; devíeis ter ficado fora, chamando-me e esperando que eu respondesse: Respondi que não tinha intenção de ofendê-lo e consegui abrandá-lo um pouco, apesar de continuar muito frio“.

Observo frequentemente em minhas viagens como a influencia do clima é poderosa sobre os seres vivos. Na zona tórrida os cães latem menos, são tímidos e fogem à mais insignificante ameaça. Ao contrário, nesta Capitania eles latem muito e frequentemente perseguem os transeuntes com audácia e animosidade“.

Continua…

LEIA MAIS: 200 ANOS DA CHEGADA DE SAINT-HILAIRE NO RS – PARTE 1

Autor: Rogério Bastos

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

quatro − 3 =