A COMPETIÇÃO FAZ O MOVIMENTO TRADICIONALISTA GAÚCHO CRESCER?

0

Quais os aspectos positivos e negativos que a “era do competição” trouxe ao tradicionalismo gaúcho?

Buenas amigos, como estão?

Muito se debate sobre a real função que um concurso de danças tradicionais gaúchas tem hoje. Se é benéfico ou não, se o Movimento teria o tamanho que tem hoje ou não, se mais pessoas participariam ou não…

Essas respostas são praticamente impossíveis de responder, porém podemos traçar alguns paralelos.

Quem fez isso muito bem foi o Prof. Toni Pereira e o Sr. Jefferson Camillo em seu livro: Danças Folclóricas e Tradicionais Gaúchas – Uma proposta pedagógica, na qual já falamos por aqui diversas vezes.

Existe nele um tópico com este mesmo título: As danças e a competição.

Já vamos deixar aqui o LINK DE ACESSO caso queira conhecer um pouco mais da obra e saber como adquirir.

dancas gauchas

Mas bueno, vamos trazer para cá alguns tópicos importantes:

Existem vários aspectos positivos que foram relacionados à criação de festivais com o intuito competitivo no Rio Grande do Sul, entre eles podemos destacar:

  • Resgate da cultura esquecida;

  • Retratar o gaúcho e seus usos e costumes;

  • O gosto pela Tradição Gaúcha;

  • Incentivo da Participação de jovens nas Entidades;

  • Tradições locais que refletem seus sentimentos, pensamentos;

  • Incentivo a pesquisa;

  • Reflexão sobre os valores morais do gaúcho (respeito à mulher);

  • Criação de Grupos nas Entidades Tradicionalistas.

A preocupação maior está exatamente nos malefícios que a excessiva busca do desempenho absoluto pode gerar, pois o “vencer” a competição se torna o mais importante e são esquecidos os valores da dança em si.

O resultado do excessivo trabalho de harmonização e padronização de movimentos, quando na transposição das danças tradicionais para o palco, acaba por castrar a espontaneidade dos dançarinos afastando cada vez mais de sua essência cultural.

Outro desastre comum é a interpretação de um modelo que por ter vencido se torna o modelo correto e único a ser transposto para o palco, demonstrando muitas vezes uma sonegação das características locais e do regionalismo.

Alguns coreógrafos quando procurados para ministrar aulas a um determinado grupo ou entidade levam consigo metodologias técnicas que mudam as características locais, tornando-as inexpressivas e sem identidade cultural.”

Muito claro na teoria e facilmente identificável na prática, não?

Porque seguir modelos, se cada grupo tem sua própria identidade? E não vem dizer que não tem, porque SEMPRE tem! Talvez vocês só ainda não perceberam…

Mais adiante os autores comentam que o instrutor de dança não pode ver a dança como um fim. Não se pode pensar que um “profissional da dança” é um “preparador” para concursos, e sim um educador.

“Os verdadeiros profissionais deveriam usar a dança como um meio e não como um fim.

Principalmente pelos vários benefícios que a dança pode trazer para as pessoas, em todos os seus sentidos: motor, cognitivo, afetivo, auditivo, visual e tátil.

Mas che, aqui deixamos só uma palinha, até porque para se aprofundar neste e diversos outros assuntos o interessante é ter o livro mesmo.

Nós o fizemos de forma online, comprando o e-book POR ESTE LINK AQUI, porque ter ele de forma digital facilita muito na pesquisa, principalmente de termos específicos, como por exemplo, LEVANTE, INTERPRETAÇÃO, HARMONIA, SAPATEIO, PASSO-DE-POLCA…

E da uma olhada abaixo no ÍNDICE desse livro, é praticamente impossível não querer ler né…

livro de danças

QUERO ACESSAR O E-BOOK!

Toni Pereira

QUERO ACESSAR O E-BOOK!

CTG

QUERO ACESSAR O E-BOOK!

#DANÇA #CTG #Competição

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui