200 ANOS DA CHEGADA DE SAINT-HILAIRE NO RS – PARTE 3

mapa litoral
ctg saPowered by Rock Convert

Saint-Hilaire entrou pela divisa catarinense, atravessando desde Torres os chamados Campos de Viamão.

No Litoral Norte

O Litoral Norte é caracterizado como uma planície rasa, onde o pasto é duro e áspero, não existindo aquelas ervas finas e tenras tão úteis aos animais. A principal cultura é a mandioca, mas também existem roças de milho e feijão.

Na serra de Santo António é feita a cultura de cana, havendo grandes plantações destinadas ao fabrico da aguardente. Desde logo Saint-Hilaire percebe algumas particularidades não observadas nas anteriores capitanias de Minas Gerais e São Paulo (incluindo Paraná).

Assim, há muitos brancos, há negros, mas não há mulatos. As mulheres não se escondem à aproximação de estranhos. Num detalhe de observação, ele se refere ao preconceito dos cavaleiros contra o uso de éguas para montaria (chegam a valer só pataca e meia).

Depois de ter estado em Porto Alegre, Saint-Hilaire acompanha a comitiva do Capitão-General Conde da Figueira que está se dirigindo por terra a São José do Norte/Rio Grande, e assim percorre novo trecho do Litoral Norte. Em Palmares e São Simão já não há quase árvores e o terreno é muito arenoso.

A estrada é pouquíssimo frequentada, havendo percursos em que não se encontra nenhum viajante. Plantada em meio à solidão, a aldeia de Mostardas situa-se entre areias e se compõe de quarenta casas. Na lagoa do Peixe, que é próxima do mar, os moradores têm o hábito de abrir de tempos em tempos um sangradouro de comunicação com o oceano, e com isso o lago se enche de peixes que são capturados com facilidade.

Os arredores são impregnados de sal, e as pastagens conferem um bom paladar à carne. A principal atividade é a criação de ovelhas. Com a lã produzida as mulheres fazem ponchos — brancos com riscas pretas ou pardas — destinados a negros e índios e vendidos à razão de 6 patacas em Porto Alegre, Rio Grande e outras localidades.

LEIA MAIS: 200 ANOS DA CHEGADA DE SAINT-HILAIRE NO RS – PARTE 2

Texto: Rogério Bastos

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui