APRENDA O SIGNIFICADO DAS PALAVRAS NA MÚSICA DE LUIZ MARENCO E GUJO TEIXEIRA!

“Tchê, me explica o que é: Tarumã? Copada? Pañuelo? Gateada? Ramada? Jujado? Maçanilha? Coplas? Açoite? Cerne? Cor de Aurora? Redomão?”

Buenas! Que tal saber o significado de algumas palavras escritas por Gujo Teixeira, e cantadas pela voz do Luiz Marenco, na música “Quando o Verso Vem pras Casa?” Tem coisa muy gaúcha che, que pouca gente entende, mas vive cantando. Então CONTINUA LENDO,que tu vai aprender bastante coisa!

A calma do tarumã, ganhou sombra mais copada Pela várzea espichada com o sol da tarde caindo Um pañuelo maragato se abriu no horizonte Trazendo um novo reponte, prá um fim-de-tarde bem lindo

Tarumã: árvore do campo, com flores brancas.

Copada: árvore de copa grande

Várzea: planície ou terreno plano

Pañuelo: lenço

Daí um verso de campo se chegou da campereada No lombo de uma gateada frente aberta de respeito Desencilhou na ramada, já cansado das lonjuras Mas estampando a figura, campeira, bem do seu jeito

Gateada: pelo de cavalo, cor próxima ao amarelo, puxando para o avermelhado.

Ramada: sombra à frente dos ranchos, onde os campeiros descansam nas horas de sol ardente.

Gujo Teixeira

Foto: Eduardo Rocha Fotografia

Cevou um mate pura-folha, jujado de maçanilha E um ventito da coxilha trouxe coplas entre as asas Prá querência galponeira, onde o verso é mais caseiro Templado a luz de candeeiro e um “quarto gordo nas brasa”

Jujado de Maçanilha: junto com camomila

penteado de prendaPowered by Rock Convert

Coplas: pequenos poemas

A mansidão da campanha traz saudade feito açoite Com olhos negros de noite que ela mesma querenciou E o verso que tinha sonhos prá rondar na madrugada Deixou a cancela encostada e a tropa se desgarrou

Saudade feito Açoite: saudade que bate, que machuca, que castiga.

Desgarrou: desviar, separar, afastar.

Quando o verso vem pras casa

Fonte desconhecida

E o verso sonhou ser várzea com sombra de tarumã Ser um galo prás manhãs, ou um gateado prá encilha Sonhou com os olhos da prenda vestidos de primavera Adormecidos na espera do sol pontear na coxilha

Ficaram arreios suados e o silêncio de esporas

Um cerne com cor de aurora queimando em fogo de chão Uma cuia e uma bomba recostada na cambona E uma saudade redomona pelos cantos do galpão

Cerne: parte interna do tronco das árvores.

Cor de Aurora: cor do amanhecer, avermelhado…

Redomona: que não é domado.

E então che, que tu achou? Compartilha lá no Facebook com teus amigo cantador de campanha, pra aprenderem um pouco mais sobre as letras! Forte abraço!

#LuizMarenco #GujoTeixeira #Música

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui